23h: Escusavam de exagerar

Certo, o inimigo público cumpriu a sua parte – mas era só uma graça, não perceberam? (não, acho que não). Voltámos ao credo na boca, às “vitórias morais” (o golo deles foi fora de jogo, não foi?) e ao mau perder (welcome to the club, Mr. Scolari); assim, humanizámo-nos e, logo, tornámo-nos de novo mais portugueses; mas eu teria dispensado tanto zelo.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a 23h: Escusavam de exagerar

  1. Não, não foi fora de jogo. A bola foi para o marcador do golo depois de bater num português. Se bem que isso é indiferente. O tipo falhou ainda antes.

Os comentários estão fechados.