As férias em todo o seu esplendor

Estão 29º ao sol; à sombra prudente a que me acolho, com a Serra d’Ossa em frente, na divisa dos concelhos de Redondo e Estremoz, faz algo menos e há internet; estão pois reunidas as condições para a sobrevivência do género humano – e deste vosso Manuel Germano. Como não quero que vos falte nada, algumas pérolas encontradas na imprensa de hoje: este artigo de Scorsese sobre Antonioni, uma história muito bonita e muito cristã de pecado e de perdão e, ainda na BBC, duas outras histórias sobre “vandalismo” na Wikipedia (aqui e aqui), que me parecem provar – desculpa f. – que aquilo que o zero de conduta por cá reporta é digno de notícia´em qualquer parte do mundo. Enfim, para quem quiser literatura à borla para o fim-de-semana e tiver impressora, tinta e papel à mão, aqui vai a quarta e última sugestão de leitura destas férias, de novo em português: Os “Gracejos que Matam”, do imortal Camilo. Para os apreciadores do género conto, assinala-se o facto de este pertencer à “Biblioteca Online do Conto” que a revista “Ficções” tem vindo diligentemente a organizar e onde se encontram muitíssimos outros contos em português, e tão bons quanto. Bom fim-de-semana.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a As férias em todo o seu esplendor

  1. xatoo diz:

    que pena,
    o link para o artigo do Scorsese expirou

  2. xatoo diz:

    uau
    afinal o artigo foi originalmente publicado no NYT, mude o link AF:
    http://www.nytimes.com/2007/08/12/movies/12scor.html?_r=2&oref=slogin&oref=slogin

  3. António Figueira diz:

    Venerável xatoo, fosteis mais lesto do que eu a encontrar uma versão não-expirada do artigo – que foi de pronto alterado para incluir o precioso link. Entrementes, encontrei uma tradução brasileira do dito; para os interessados, aqui fica:
    http://ultimaleitura.wordpress.com/2007/08/16/antonioni-por-scorsese/
    O Alentejo depois do “choque tecnológico” é outra coisa…

  4. Quanto aos dois links sobre a Wikipédia: não era já altura de deixarem de usar aspas na palavra vandalismo???

  5. António Figueira diz:

    As aspas! Useia-as porque queria atribuir ao termo “vandalismo” (de tão interessante etimologia) o sentido exacto,”técnico”, com que é utilizado nesta contenda – mas este comentário fez-me reparar sobretudo na sua dimensão escolástica, fez-me lembrar os m-l de 75 (que agora escrevem no Público) a citar os textos sagrados, e eu, que às vezes, raras vezes, até acho que o xatoo tem razão, parece-me também que nesta história da wikipedia e do PM há muita “fé” à mistura, e faço saber que para guerras religiosas não tenho pachorra nenhuma.

  6. Pronto… Fique lá com as aspas. 🙂 Longe de mim interferir na fé de quem quer que seja.

  7. Quanto à Wikipédia (não entendi bem até onde é que se estendia a fé a que se referia), creio que é mais um assunto de confiança vs desconfiança que deve ser sempre sopesada por quem a lê. Isso não é fé. A fé não admite desconfiança nem crítica. A Wikipédia vive, pelo contrário, de uma saudável desconfiança. Mas cada um desconfia do que quer – e parece-me que o António Figueira desconfia da minha prosápia. Seja. Não deixa de ser saudável.

  8. A.M. diz:

    “Divisa” dos concelhos?
    Ou divisão (ou divisória) dos concelhos?

  9. António Figueira diz:

    Divisa, insisto: limite entre propriedades ou territórios, raia, sinal de demarcação (in Moraes e Academia das Ciências, i.a.).

Os comentários estão fechados.