Declaração de amor

Sexta-feira fui de férias, umas férias pequenas. Durante o fim de semana todo, arrostei c’a canícula inclemente e desbravei quilómetros e quilómetros de estepe alentejana. Chegado no domingo à noite a casa, para o gin & tonic a que me sentia com direito, fui ver o mail e os comentários do blogue. Foi lá que encontrei esta declaração de amor, da traulitânia da blogosfera nacional, O Insurgente de seu nome:

“…Cinco Dias, um blogue de extrema-esquerda onde a promoção da agenda LGBT e outras causas fracturantes se combina de forma notavelmente apropriada com a ignorância, o ressentimento marxista e a defesa do totalitarismo…”

Ao lê-la, respirei fundo, beberiquei e senti-me – como dizer? – a um mesmo tempo fracturante e totalitário. É bom sabermo-nos correspondidos. Lêem no nosso coração. As nossas agendas escondidas. As nossas perversões secretas. As nossas ignorâncias profundas. Os nossos ressentimentos sofridos. Parecem Arrojas e Mirandas, de tão argutos. Parecem a Patrícia Lança, de tão santinhos. Querem conversa, a gente não dá, mas eles mesmo assim voltam. Adoram-nos. Nós também os adoramos: até a extrema-esquerda LGBT (linha ignorante, marxista-ressentida e totalitária) precisa de qualquer coisa com que se entreter, em Lisboa, num domingo à noite, no mês de Agosto. É um prazer estar de volta.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

19 respostas a Declaração de amor

  1. RAF diz:

    Gin & Tonic é uma bebida a modos algo burguesa. Veja lá se não acaba a cantar loas ao capitalismo.
    E não nos interprete mal: o 5 dias é de facto fonte de inspiração, e enorme utilidade, sobretudo desde que deram voz e amplificaram personalidades sinceras e cândidas como o Xatoo, essa grande figura da democracia blogosférica.
    Bom regresso,
    RAF

  2. Ana Matos Pires diz:

    António, calhando é dor de cotovelo por não terem ido ao Tunnel…

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Estou de acordo com o RAF: democratas, democratas só a malta do Pinochet

  4. Model 500 diz:

    Os Insurgentes chamam ignorantes e totalitários aos elementos do Cinco Dias !!!

    Isto é razão mais que suficiente para um duelo. Se ainda existir um pingo que seja de dignidade, só um duelo pode solucionar este problema.
    Par começar sugiro o beato André Alves frente ao intelectual Nuno Almeida.

  5. Mafalda de Mello e Vasconcelos diz:

    Comentários tão bobos de gaiatos ridículos como são aqueles que escreveram essas patetices no insurgente nao merecem grande atenção…Arquive-se! rsrsrrsrs
    O essencial: 5 Dias é um blog belíssimo de quem mt gente tem demasiada inveja…o resto são meia dúzia de feijões.

  6. Vasco diz:

    Apesar de tudo, um blogue que não conseguiu evitar a êxodo das suas mulheres durante o Verão precisa de repensar a sua existência…

  7. Para a direita todos que estão à esquerda do PS são perigosos extremistas de esquerda totalitários e mal-feitores de 1ª.

  8. Ana Matos Pires diz:

    Vasco, porventura achavas que quando as mulheres desta casa decidem fazer o que quer que seja há alguma possibilidade de o evitar? Ó meu amigo, tststs…

  9. António Figueira diz:

    RAF,
    Uma vez mais, V. percebeu logo: sempre que bebo o meu gin, mon coeur balance entre a fidelidade à working class e as saudades da Rainha-mãe;
    Ana,
    Toda a razão: tão novinhos e já tão reprimidinhos;
    NRA,
    Cela va sans dire;
    Model 500,
    Eu sou a favor de todos os duelos, desde que não tenha de fazer de espadachim;
    Mafalda,
    Assim é que é falar! (detecto em si uma forte candidata ao Grande Prémio 5dias, 2ª edição);
    Vasco,
    Point taken;
    josé manuel faria,
    Não estou assim tão certo que não nos achem antes uns malfeitores de 2ª.
    Obrigado a todos pelos comentários, AF

  10. Ana,

    Já que prometeste voltar à psiquiatrização de comportamentos, como classificavas a utilização obsessiva e pavloviana do complexo extrema-esquerda-agenda-lgbt-totalitarismo.politicamente-correcta (não consigo deixar de imaginar saliva a escorrer por entre dentes que rangem quando alguns escrevem essas coisas)?

  11. xatoo diz:

    quem é que dizia que “um bom editor é aquele que separa o trigo do joio e zela para que apenas se publique o joio”?
    vá lá,
    vamos lá embora a seleccionar os posts do RAF, senão o homem nunca mais se cala

  12. RAF diz:

    Cara Ana Matos Pires,
    Tanto preconceito. Como antecipa que não fui ao Tunnel? Como muitas pessoas da minha geração, passei no Tunnel, na Limelight, em alguns bares do Soho, e em muitos outros locais que V. Exa. nem sequer conhece. Privilégios de quem sempre se sustentou, desde os 18 anos, e de quem desde os doze anos não dá satisfações a ninguém. O vosso mal é que se julgam tão livres e mundanos, mas estão tão agarradinhos aos vossos preconceitozinhos da lutinha de classes e dos esteriotipos com que arrumam as pessoas. Ainda ao menos, há quem tenha bom gosto, pelo menos no Gin Tónico.

  13. rc diz:

    Agosto? Ah, gosto… 😉

  14. Ana Matos Pires diz:

    João, como sabes não sou dada a “psiquiatrizações”, pelo que classificaria exactamente como tu… olha, entediante, própria do obcecado* (gostei da imagem da sialorreia).

    *que tem a inteligência ou o entendimento obscurecido, geralmente por uma ideia fixa; ofuscado; obstinado; teimoso no erro (Do lat. obcaecátu-, «id.», part. pass. de obcaecáre, «cegar»)

    Ps: Vou só preparar um wisky com gelo e água lisa…

  15. Ana Matos Pires diz:

    (pronto, já tenho o Bushmills)

    Caro Rodrigo Adão da Fonseca,

    Calma, não é caso para disforias. Mas olhe que não, Doutor, olhe que não, não é preconceitozinho, nem tão pouco uma questão de luta de classes, de resto você sabe que eu sei que você sabe porque trouxe à baila o Tunnel… http://www.oinsurgente.org/2007/08/01/lixaram-se/

    Hummm… faço-lhe um desafio: coloque à votação interna, com apresentação pública dos resultados na coluna da direita do Insurgente, a pergunta “Quem foi ao Tunnel?”. Aceita? Só por graça, claro.

    E se foi bom ter-se emancipado aos 12 e auto-sustentado a partir dos 18, pois ainda bem, fico contente por si.

    Cumprimentos,

    Ps: Passou, com toda a certeza, por muitos locais que eu nem sequer conheço.

  16. Ana Matos Pires diz:

    João,
    Faltou-te a luta-de-classes lá no complexo.

    RAF,
    Para além de tudo, eu alvitrei, não afirmei.

  17. O RAF então é um self-made-man, vejam bem! Com o dinheiro de quem, ó RAF? Sabes que se há coisa que não existe é self-made-men com dois apelidos… Elucida-nos, por favor, e já que foste tu que puxaste o assunto, o que foi que construíste a partir do zero. Sim, do zero. Do nada. Sem apoios da família ou heranças.

  18. Sérgio diz:

    Ena, cum catano!

    Também estive uns dias Além Tejo e não vi essas pérolas dos amigos de Pinochet e do Sr. Professor Oliveira Salazar… Sem diminiur ninguém, acho que prefiro os meus curtos dias alentejanos.

    Cumprimentos,
    Sérgio.

Os comentários estão fechados.