Vraiment ?

Segundo declarou no Parlamento francês o novo MNE Bernard Kouchner, foi a “pressão constante” de Sarkozy sobre os seus parceiros que permitiu um acordo sobre um futuro mini-tratado europeu, uma ideia “proposta e imposta” (sic) pela França, que marca o seu “regresso à Europa” e mesmo a “vitória da política sobre o fatalismo”. Vraiment ? De facto, quando saúda como uma “vitória da política” um acordo cujo objectivo principal é o de evitar o recurso a referendos que se temem de antemão perdidos, aquilo que este Ministro (e fundador dos “Médecins Sans Frontières”) revela antes de mais é que, embora tenha mudado de pastor, continua a ser um homem de fé – e a fé, como se sabe, move montanhas. Graciosamente, à margem do debate parlamentar, o ex-Ministro dos Assuntos Europeus (e companheiro de Kouchner no PSF) Pierre Moscovici afirma que o novo MNE é agora um mero executante da política de Sarkozy para a Europa e pensa que “ele vale mais do que isso”. Vraiment ?

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Vraiment ?

  1. jj diz:

    E num exercício político egocêntrico que mais afasta os cidadãos de uma Europa que se une por interesses estritamente comerciais, cada vez mais arredia de valores comuns que a tornem a pátria europeia.
    Em vez disso, para sobrevivência de uma política apenas pragmática, e que sustente interesses corporativos instalados, a toda a força se tenta um tratado travestido da constituição morta à nascença, fugindo dos referendos com o diabo da cruz, esperando que não nos venha a ficar caro no futuro estas fugas para a frente.

  2. Sérgio diz:

    Caro António,

    Acabei de ler o seu texto publicado no LMD. Excelente! Como sempre, de uma solidez teórica assinalável e de uma pertinência analítica muito bem conseguida.
    Se escrever mais sobre a Europa, este seu leitor ficará muito reconhecido.

    P.S. o título do texto do LMD é acutilante e tem tudo a ver com este seu post.

    Cumprimentos,
    Sérgio.

  3. jj diz:

    Caro Sérgio,
    Onde fica o “LMD”, é possível dar o link?
    Gostava de lá entrar, porque o António merece ser lido.
    Obrigado
    JJ

  4. Sérgio diz:

    Caro JJ,

    Lamento, mas está perante um nabo em informática. Li na versão papel do Le Monde Diplomatique português. Nem sabia que já estavam disponíveis (estão?) on-line.

    Cumprimentos,
    Sérgio.

  5. jj diz:

    O Le Monde on-line está em: http://www.lemonde.fr/
    Agora não encontro é o texto de que fala.
    Talvez o António Figueira pudesse ajudar?

  6. António Figueira diz:

    Caros Sérgio e jj,
    Peço desculpa pelo atraso, mas estou fora de Portugal e só consigo ver os e-mails uma vez por dia, ao fim da tarde. O site da edição portuguesa do Le Monde Diplomatique é: http://pt.mondediplo.com/ mas não creio que os diferentes artigos estejam lá à disposição. Em qualquer caso, para a semana estou de regresso e, se o jornal me autorizar, coloco o texto no 5 dias na próxima sexta-feira, para os eventuais interessados.
    Abraços, AF

Os comentários estão fechados.