Jorge Mateus: Duponsky

duponskiy.jpg

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Jorge Mateus: Duponsky

  1. Sérgio diz:

    O comportamento dos senhores caricaturados deve fazer reflectir sobre os destinos da Europa e quão prejudiciais podem ser os alargamentos precipitados, que mais não são do que um passo lesto e, direcção a uma mera EFTA, ou algo do género.

    De resto, a política interna dos gémeos é um exemplo clássico de vingança baixa com o aparelho do Estado, para além de um reaccionarismo bacoco e básico, mas na moda em muito bom «liberal».

    P.S. Aquela dos votos que a Polónia teria se não fosse a guerra é inacreditável como argumento, pelo menos para quem tem uma postura que se presume séria.

    Cumprimentos,
    Sérgio.

  2. ezer diz:

    Parecem os dois porquinhos………

  3. Lidador diz:

    O pensamento único está agora ocupado a despejar a habitual tomatada desqualificadora sobre os gémeos Kaczynski.
    Isto porque Bush, se bem que ainda provoque as habituais salivações pavlovianas, está a caminho do ocaso e, como ainda não se sabe qual o personagem que o irá substituir na Casa Branca, é preciso arranjar um alvo de transição que possa alombar com indignação dos aiatolas do pensamento politicamente correcto.
    Vai daí, a patrulha do pensamento único reparou que os gémeos polacos não são maus de todo para a função de bodes expiatórios.
    Pensando bem, os gémeos reúnem uma série de atributos que os tornam automaticamente em alvos legítimos da patrulha:
    -São atlantistas, e não há membro da patrulha que não deite fumo pelas orelhas perante este defeito.
    -São anticomunistas, o que faz com que toda a patrulha espume pela boca.
    -São católicos, inacreditável ousadia que põe todo o verdadeiro patrulheiro a recitar o credo e a revirar a cabeça como se estivesse na presença do Mafarrico.

    O pensamento politicamente correcto é uma espécie de caterpilar que arrasa tudo à frente, derrubando quem quer que ouse salientar-se acima do nível zero.
    Neste nível, terraplanado pelo buldozer da patrulha, os irmãos Kaczynski, são sempre etiquetados de «ultraconservadores», como o leitor decerto reparará daqui para a frente.
    Porquê?
    Porque a patrulha o decretou, na sua ânsia de doutrinação.
    Uma vez institucionalizado o rótulo, a patrulha trata de pescar à linha todos os factóides que contribuam para tornar os alvos mais alvejáveis. Tudo serve, desde que seja apresentado na perspectiva politicamente correcta.
    Por exemplo, uma vez que os gémeos são católicos, escolhem-se algumas das suas acções e declarações como características do catolicismo em geral, um dos alvos favoritos do pensamento único.

    O maior pecado dos Kaczynski, aquilo que realmente os expôs ao radar da patrulha, foi o anúncio de uma revisão daquilo que se passou na Polónia durante a crudelíssima ditadura comunista.
    Os aiatolas do pensamento único alçaram logo as orelhas, começaram a rosnar e, em menos de um fósforo, já estavam a bravejar que tal projecto era uma “autêntica caça às bruxas”

    Pelo contrário, quando Zapatero, aqui ao lado, promoveu uma iniciativa idêntica, mas bastante mais sectária, relativamente ao franquismo, a patrulha sorriu e apoiou entusiasticamente a louvável iniciativa, como absolutamente necessária para “recuperar a memória histórica”.

    É assim, meus caros…memória histórica só se for politicamente correcta, caso contrário é “ultraconservadorismo” e “caça às bruxas”.

  4. Sérgio diz:

    Caro Lidador,

    Permita-me um ou outro comentário sem que recorra à tirada demagoga e fácil do «politicamente correcto» e de que a direita, coitadinha, tem de ser irreverente.

    Pensamento único não será antes o que se está passar na Polónia com a inundação de legislação punitiva em relação a matérias que deveriam ser caras aos liberais? As ditaduras são sempre crudelíssimas. Não é necessário que sejam comunistas para se qualificarem como tal. E o que pensar da utilização de métodos stasianos e do aparelho repressivo do Estado para fazer uma caça às bruxas (sim, caça às bruxas)? Ainda neste sentido, será que também são tomatadas politicamente correctas as movimentações civis dos polacos contra a política demente dos manos acima caricaturados? Ou então que pensar desse comunista primário que é Bronislaw Geremek, ateu raivoso contra a piedade cristã.

    Francamente, deixemo-nos de mistificações infantis. Ninguém lhes leva a mal que os senhores sejam católicos, ortodoxos, jeovás ou o que quiserem. O senhor sabe muito bem o que está em causa: a justificação de legislação iliberal e antidemocrática e muitas vezes obscurantista com o catolicismo político que se serve do Estado para fazer proselitismo e impôr uma espécie de lei de Deus em terra de homens plurais.

    Quanto ao facto de serem atlantistas, não há mal nenhum ao contrário do que insunua. Mas, uma vez que a Polónia também é membro da UE (e comprometeu-se com o acquis), não lhes ficava mal, pelos menos, fingirem-se um pouco mais europeístas.

    Felizmente a Polónia não se resume aos senhores em questão, nem as lideranças são eternas.

    Cumprimentos,
    Sérgio.

  5. Lidador diz:

    Caro Sérgio, a patrulha é constituída por duas espécies de pessoas:
    os activistas, tipos espertos e que escrevem o guião, e os idiotas úteis que lhe recitam os versículos, absolutamente convencidos de que estão a usar a própria cabeça, sem que por ela passe, nem que seja por um fugaz momento, a ideia de que aquilo que pensam ser os seus “raciocínios”, não passam de ideias feitas, slogans, bordões e preconceitos.

    O nível do seu comentário revela apenas que o buldozer do pensamento único já lhe passou por cima, deixando-o a balbuciar os estribilhos enlatados que o caracterizam.
    Lamento por si…

  6. Sérgio diz:

    Caro Lidador,

    Agradeço-lhe a preocupação mas, perdoe-me a imodéstia, não careço. Muito menos que lamente que o meu encéfalo esteja contaminado com o vírus do pensamento único. Utilizando a sua expresão, o nível do seu comentário não revela mais do que uma intolerância que não desfarça. Presumo que se daria bem na Polónia dos srs.

    Na minha condição de idiota útil (segundo a sua curiosa, mas absurda taxonomia), venho reafirmar, ponto por ponto o que disse. Pensamento único? parece dar mais mostras de estalinismo o senhor. Parece que quem não aceita a criminalização total do aborto, a identificação do Estado com um aspecto cultural da Nação, o mais básico do antieuropeísmo e um seguidismo de mentiras para se entrar em guerra, não passa de um perdido, de um alienado fugido do Júlio de Matos. E o sr., do alto da sua infalível verdade incomprendida pelos mortais do pensamento único, empenha denodados esforços retóricos sem procurar desmentir factualmente o que se afirma. Clichés? O que é «pensamento único» e «politicamente correcto» senão um esfarrapado chavão com que a direita se entretém?

    De resto, olhe, nem o convenço a si nem o senhor a mim. E ainda bem.

  7. Sérgio diz:

    Naturalmente «disfarça» é com i.

  8. Lidador diz:

    Nada como os cristãos novos….o seu fervor é sempre absoluto.

Os comentários estão fechados.