La France bling-bling

Se Nanni Moreti fosse francês, talvez estivesse agora a estudar o argumento de uma eventual sequela a «O Caimão». Ao cinema francês não faltam criativos capazes de levar a bom porto a cinematográfica tarefa, e à França não parece faltar condimento político que sirva de argumento a um filme presidencial. Diferenças à parte, Sarkozy é um aristocrata de descendência húngara e não um magnata dos media e afins. Semelhanças de perto, iates, férias, uma mulher colunável e a fotografia oficial do novo Chefe de Estado francês, posse de estadista, a biblioteca do Eliseu de pano de fundo colorido pela bandeira francesa, já não desamparada mas ladeada pela bandeira da UE, momento captado por Philippe Warrin, especialista da ilustração cor-de-rosa.
Depois da ida a banhos a Malta, Sarkozy chegou, viu e após a vitória voltou a vencer pela surpresa. Compôs um governo paritário, multipartidário e multietnico. Cosmopolita, portanto. E rumou a Bruxelas, onde se encontrou com José Manuel Barroso (antes Durão), por quem sente uma “grande amizade, estima e confiança”, anunciando que para a Europa a França deseja simplificação, um governo económico que contrabalance (ou mine?) o papel do BCE, uma nega completa à Turquia e uma aparente (que de aparente tem pouco) manutenção do «status quo» da agricultura francesa no âmbito de uma intocada PAC.
As férias foram revigorantes! Mas é preciso não esquecer que Sarkozy pensou na sua presidência durante longos anos, logo pela manhã, enquanto fazia a barba. Homem de barba rija, a tarefa tomar-lhe-ia seguramente uns quantos minutos matinais, pelo que nada está fora do «plano».
O Gaullismo, que jazia já moribundo pela desistência de Chirac, é agora tradição morta. E Chirac, antigo mestre, foi primeiro vencido pela ambição do discípulo e agora pelo estilo do Presidente. Um zero para Sarko.
Ségolène foi substituída no imaginário de uma França rendida aos encantos da política no feminino, por Rachida Dati, a nova Ministra da Justiça. Pai marroquino, mãe argelina, esta francesa da diáspora, nutre um especial fascínio por Sarkozy, que acompanha desde 2002, e diz de si «Eu sou um símbolo da França». Dois zero para Sarkozy: pela primeira vez a França tem uma ministra descendente de imigrantes das ex-colónias, num governo onde pontua Brice Hortefeux como Ministro da Imigração, Integração e, «voilà», Identidade Nacional.
O PSF, que tem as legislativas de Junho para disputar, também está representado no novel Governo da França. O histórico Bernanrd Kouchner, agora nomeado «ministre des Affaires étrangères et européennes», representa a abertura de Nicolas aos socialistas. Presente envenenado, a conhecida vaidade de Kouchner fez estragos: François Hollande já deu notícia da expulsão do agora Ministro do PSF, catalogando a abertura de Sarkozy como uma «aventura individual», e não propriamente um romance aberto. Vamos em três. A zero.
A moderação da UDF também está representada. Hervé Morin é o novo Ministro da Defesa. E a paridade, cosmopolita e coquette com Dati, é completada numa versão mais tradicional por outras seis ministras, num governo de 15. Quatro zero?
Mas esta composição governamental é reflexo da nova era que se experimenta no Eliseu: após uma entrada digna dos anos de ouro da «jet-sética» Cote d’Azur, os jornalistas e comentaristas adjectivam já o estilo Sarkozy: aparatoso, hollywoodesco, deriva monegasca, um Presidente bling-bling, apelo aos sentidos feito pelo «Nouvel Observateur» – tudo em Nicolas Sarkozy reluz e tilinta pela vaidade, luxo, sofisticação… e tudo devidamente registado com imagem e som, por fotógrafos, câmaras, televisões.
Este bling-bling todo ainda não trouxe dissabores de maior ao novo patrão da França. Sim, quem manda é o Presidente. A Fillon, Primeiro-Ministro, calhará o que calhar. E a França, que se enamorou pelo «glamour» dos candidatos Sarko e Ségo, que pelo meio ainda pensou melhor e ameaçou preferir o cinzentismo rural de Bayrou, mas voltou ao primeiro amor e elegeu Sarkozy, vive encantada neste cenário de sofisticação aristocrática que parece, mas só parece, devolver à França a grandiosidade há muito perdida.
Parece ser tradição que os homens pequenos, estrangeiros ou «astrangeirados», chegando ao poder na França imponham o estilo quero-posso-mando. Em tempos idos, a pose valeu exílio. O que valerá o estilo bling-bling a Sarkozy?

Sobre Marta Rebelo

QUINTA | Marta Rebelo
Este artigo foi publicado em Marta Rebelo. Bookmark o permalink.

9 respostas a La France bling-bling

  1. Sérgio diz:

    Bom texto! Sarko é um caso sério de mistificação e de clichés.

  2. VPVVV diz:

    Pensei que a menina ainda tivesse um bocadinho de educação, mas já vi que nasceu na margem sul. Fica-lhe mal dizer “à França” e “lá na França”…

    É um espirito emigrante em muito semelhante ao «O “comer” está na mesa!»

    Enfim, cada um nasce e educa-se como pode!

  3. Julia W diz:

    Sans doute, Marta.

    Detalhes biblio à parte, Sarkozy começou muito bem, diria mais, brilhantemente bem…É provável que ele se transforme no Blair da direita Europeia (modernizar o conservadorismo, sem terceiras vias oportunistas…) e se isto acontecer…coitados dos socialistas, terão que atravessar um deserto desolador porque…:)

  4. Luís Lavoura diz:

    Não percebo por que é que tanta gente cá em Portugal presta tanta atenção à política francesa, sabe os nomes dos políticos e o que eles defendem, etc.

    A França é apenas um país estrangeiro entre muitos. E não me parece que seja daqueles com os quais mais tenhamos a aprender.

  5. ca diz:

    Rachida Dati, pelos vistos mais penacho étnico no chapéu da direita conservadora. Condy Rice ao lado de Bush surtiu o mesmo efeito. Antes, num âmbito mais sinistro, Ayaan Hirsiali na trupe de Pim Fortuyn. Que mensagem pretende passar Sarkozy com a nomeação de Dati? Que a integração é possível desde que meritória? Desde que a rapaziada dos subúrbios adira à «França que se levanta cedo»? Zinedine Zidane e companhia já há muito provaram que ambição não é uma raridade entre os suburbanos. Que os seleccionadores dos departamentos dos recursos humanos das empresas não cultivem conhecidas preferências é um desafio maior. Sonhar é fácil, acreditar bem mais difícil. De resto, uma outra mulher sai ganhadora da vitória de Sarkozi. Igualmente híbrida e ‘parcialmente’ húngara. Yasmina Reza. Aguardemos pelo seu relatório.

  6. MP-S diz:

    “A França é apenas um país estrangeiro entre muitos.”

    A Franca e’ um pais fundamental para a UE e isso e’ razao suficiente.
    Para la’ das razoes mais subjectivas: culturais e afectivas (mesmo cientifica e economicamente continua a ser um pais muito influente). Esta’ e’ na moda menospreza’-los (mas a Alemanha era, ha’ uns dois ou tres anos, o “sick man of Europe” e agora voltou ao papel de locomotiva). Plutot ca change…

  7. l.rodrigues diz:

    “E não me parece que seja daqueles com os quais mais tenhamos a aprender.”

    Tem alguma sugestão?

  8. Luís Lavoura diz:

    I.Rodrigues

    temos sem dúvida muito mais a aprender com a Alemanha. Mas também teremos algo a aprender com países como a Eslovénia, Chipre, a Letónia, a Irlanda, enfim.

  9. Cara MR,
    Ele tem, quanto muito, ascendência húngara. Os descendentes, esses são franceses…

Os comentários estão fechados.