Filipe Moura: O Estado como garante de maior democraticidade

Sobre as eleições francesas, o resultado foi o esperado e eu não tenho muito mais a acrescentar ao que escreveu o Hugo Mendes. O que mais me impressionou foi a elevadíssima participação eleitoral, bem maior do que a que estamos habituados em Portugal. E muitíssimo maior do que em países como os EUA ou o Reino Unido. Na primeira volta (85% de participação) ainda julguei que tal se devesse a querer excluir de certeza Jean Marie Le Pen, mas os mais de 80% da segunda volta confirmam-no: a participação eleitoral na França é muito superior à de outros países de tradição anglo-saxónica e economia liberal. Quando o fenómeno da abstenção elevada começou a sentir-se em Portugal, articulistas conservadores e culturalmente britânicos como Miguel Esteves Cardoso chegaram a afirmar que a baixa participação eleitoral era um “sintoma de desenvolvimento”. É claro que tal ideia só poderia vir de uma cabeça como a deste senhor (ou como ao de João Carlos Espada). Se nestes países a participação eleitoral é mais baixa, é porque o povo sente que não pode alterar grande coisa com o seu voto. O poder está todo nas grandes corporações e nas grandes empresas. O poder político é mais fraco que o poder económico. Como dizia uma amiga minha relativamente aos EUA, naquele país o conceito de “liberdade” era “poder-se comprar tudo o que se quisesse”. Quem pudesse, como é evidente. Em França, não vou afirmar peremptoriamente que o “poder político” é mais forte que o “poder económico” (uma condição essencial para uma verdadeira democracia), mas pelo menos existe, sem dúvida, um poder político. Algo que para os ultraliberais, cuja única democracia que conhecem é o “mercado”, faz muita confusão. É claro que mesmo na democracia francesa os cidadãos podem votar mal (e têm votado mal, a meu ver, nas últimas vezes). Mas há lá uma tradição de combate político e uma sensação (legítima, e com motivos históricos) de que o voto popular conta alguma coisa para os destinos do país. É esta sensação que pode vir a ser ameaçada pela recente escolha (legítima) do eleitorado francês. Um eleitorado confuso e à procura de um país que já não é o mesmo apostou num candidato que aparece como “salvador”. Embora respeitando sempre a legitimidade do voto popular, desejo que a França seja capaz de preservar uma sociedade onde a igualdade é indispensável à democracia e à república.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Filipe Moura: O Estado como garante de maior democraticidade

Os comentários estão fechados.