Rui Tavares: Abram-me esses olhos

Autor: Rui Tavares

(Público, 3 de Abril)A extrema-direita comporta-se como uma infecção oportunista num corpo  debilitado. Sabe que tem de aproveitar, agora, a crise da direita  enquanto esta lhe dá condições ideais para crescer.

Comentando a visibilidade crescente da extrema-direita na sua coluna  de sábado neste jornal, Pacheco Pereira sugere que ela é concomitante  do politicamente correcto e da atitude geral da esquerda. Previsível:  o discurso da “hipocrisia da esquerda” é o tema único dos nossos  neoconservadores, que lhe atribuem tudo e a morte do Manolete. Desde  o cavaquismo que esta é a cantilena de Pacheco Pereira.  Ainda não  aprendeu uma nova.

Se olharmos para a esquerda, o que vemos? O PS está no governo, o PCP  e o BE  sobem sondagem após sondagem. A batalha histórica da  despenalização do aborto foi ganha com quase 60% dos votos, alguns  dos quais de uma direita desamparada pelas suas lideranças. Não é à  esquerda que estão os votos e também não é ali que estão as causas. A  extrema-direita tem visibilidade porque tem actividade, e o motivo  precipitante da sua virulência está bem em frente do nariz de Pacheco  Pereira. Com o PSD exangue e o CDS em cacos, a extrema-direita  comporta-se como uma infecção oportunista num corpo debilitado. Sabe  que tem de aproveitar, agora, a crise da direita enquanto esta lhe dá  condições ideais para crescer.

Não vale a pena fingir que não vemos gravidade nisto. As pessoas  esquecem-se, mas desde o tempo das FP-25 – como o nome indica, uma  excrescência do período pós-revolucionário – que há mais de vinte  anos a violência política em Portugal veio sempre desta extrema- direita. Espancaram um actor, esfaquearam até à morte um  sindicalista, fizeram uma “caça ao negro” pelas ruas de Lisboa, e em  matilha assassinaram o português Alcino Monteiro pelo crime de ser  mulato e passear pela cidade. Recentemente foram provocar imigrantes  para o Martim Moniz, apostaram forte no concurso dos “Grandes  Portugueses” e passaram para a fase da propaganda xenófoba. Mudam de  sigla, contornam cuidadosamente a lei, fazem da desonestidade a  táctica principal. Quem tiver estômago para os procurar na internet  verá que se estão a organizar. Os jornalistas que se dão ao trabalho  de os investigar ficam assustados com histórias de tráfico de drogas  e extorsão. Mas quando eles vieram empunhar orgulhosamente as suas  armas ilegais na TV, o mesmo Pacheco Pereira que vê sinais alarmantes  em todo o lado minimizou o assunto para inventar fantasiosas  equivalências com a esquerda. A mesma tese que continua a reciclar.

Se o problema não desaparece por o minimizarmos, será que para o  levarmos a sério teremos de importar a agenda da extrema-direita?  Grave erro. A questão não é a “hipocrisia sobre a imigração” que  alega Pacheco Pereira. É a hipocrisia sobre o racismo. A nossa  direita blasé tem dificuldade em chamar os bois racistas, violentos e  criminosos pelos respectivos nomes de racistas, violentos e  criminosos. Prefere antes escandalizar-se com o escândalo da esquerda.

Ora o escândalo da esquerda não é ineficaz por estar errado. É-o  porque atinge apenas o seu auditório, maioritariamente já convencido.  Marcelo Rebelo de Sousa, no seu comentário televisivo, atacou os  racistas enquanto “homem de direita”, demonstrando que ao contrário  de Pacheco Pereira percebeu essa ideia simples. A direita tem de cair  na realidade actual e fazer, se for capaz, um discurso anti-racista  para o seu próprio eleitorado. Quanto mais não seja porque são os  vossos eleitores – actuais e futuros –  que os racistas sonham roubar- vos.  Com mil raios, será que teremos mesmo de vos explicar tudo?

Sobre Joana Amaral Dias

QUARTA | Joana Amaral Dias
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Rui Tavares: Abram-me esses olhos

  1. ezer diz:

    E as bombas e mortos,incêndios às sedes de partidos de esquerda a seguir ao 25 de Abril,não foram feitos pelos terroristas?E quem era o RamiroMoreira ou o cónego Melo?Meninos do coro?E a ligação à rapaziada da fundação Bilderberger,organização ‘humanitária’?Já agora e os assassinos de Carvalho,onde estão eles?

  2. Ezequiel diz:

    Escolher como causas determinantes da re-ascensão da ext direita na Europa o pol correcto e a atitude da esquerda é um absurdo. O desencanto da direita e a sua desorganização não são, a meu ver, causas de coisa alguma. Primeiro, porque NÃO estamos a assistir a um aumento do poder da ext direita em Portugal. Segundo, tenho sérias dúvidas que tanto o cds como o psd contribuam com muitos dos seus eleitores para a ext direita. Atrever-me-ia a dizer que os desertores seriam muito muito poucos, ou até rarissimos. O filão de ouro da ext direita está na abstenção. Gostaria de escrever mais sobre isto mas estou com mt pressa. Se me permitem, gostaria de recomendar um estudo interessante de um Prof que sabe alguma coisinha sobre este assunto.

    http://www.lse.ac.uk/collections/hellenicObservatory/pdf/AnastasakisDiscussionPaper3.pdf

  3. Ezequiel diz:

    o comts nao estao a funcionar

  4. Ezequiel diz:

    os apoiantes, potenciais ou reais, da ext direita estão a borrifar-se para: 1) a esquerda e 2) o pol correcto. O seu filão de ouro é a abstenção e não os desertores do centro direita. Além disso, NÃO estamos a assistir a um crescimento da ext direita em Portugal… ao contrário de muitos outros paises Europeus (já viram como é que Portugal é um grand país!!!!) 🙂

    Na Europa, suspeito que o primeiro choque será Le Pen…e…depois…a Suécia… lets see!!!

    Como n disp de mt tempo gostaria, se me permitem, de Vos deixar aqui um estudo interessante sobre este assunto..escrito por um senhor que sabe umas coisinhas acerca disto eh ehe

    http://www.lse.ac.uk/collections/hellenicObservatory/pdf/AnastasakisDiscussionPaper3.pdf

  5. Ezequiel diz:

    Bolas, as minhas desculpas pelo bis. O server está biruta!

Os comentários estão fechados.