Rui Tavares: O pecado, ida e volta

Autor: Rui Tavares

Texto publicado no jornal Público de ontem

 

Qualquer cientista aprendiz sabe que não se deve personificar um planeta. Se caem na candura de perguntar “porquê?”, costuma responder-se-lhes: “porque o planeta não gosta”. Haverá alguma correspondência, como sugeriu ontem Helena Matos, entre os profetas religiosos que declaravam que as catástrofes naturais eram provocadas pelo pecado e aqueles que hoje identificam causas humanas nas alterações climáticas? Poderá considerar-se que a crença numa e na outra coisa é “uma atitude igualmente superticiosa”? Será legítimo concluir que “onde uns colocavam a vontade de Deus coloca-se agora o equilíbrio da Terra”? Tomemos os exemplos do Padre Gabriel Malagrida, aqui lembrado pela minha parceira de pingue-pongue, e Al Gore, o mais conhecido dos activistas das alterações climáticas. O primeiro insistiu, até ser queimado na fogueira, que o Grande Terramoto de 1755 fora provocado “unicamente pelos nossos intoleráveis pecados”, — por exemplo a troca de bilhetinhos de namorados durante as missas. O segundo vem defendendo que as emissões de CO2 têm responsabilidade nas alterações climáticas.Nessa perspectiva, podemos dizer que Helena Matos tem razão. Há sim uma certa correspondência: ambos defendem uma causa para um efeito. Ambos defendem uma causa humana para um efeito natural. Um cínico poderia acrescentar isto: a diferença é que um está errado e o outro
certo. Pelo menos à luz dos conhecimentos actuais, a troca de bilhetinhos na missa não provoca terramotos, ao passo que o aumento de CO2 na atmosfera provoca efeito de estufa. Talvez seja demasiado fácil, porém, lembrar que a explicação de Malagrida depende de Deus, sobre cuja existência não há certezas, e a de Al Gore parte do planeta Terra, que é uma coisa que se não existe imita muito bem. Procuremos então outras diferenças entre Malagrida e Al Gore.
A primeira que salta à vista é: Malagrida só falou depois do terramoto ter ocorrido, o que o diminui até um pouco como profeta. Al Gore tem vido a falar nas alterações do clima antes delas se tornarem mais enfáticas, e apresenta cenários para o que pode vir a suceder no futuro. As suas previsões serão verificáveis e caso o não sejam a sua teoria será desacreditada. Ao colocar-se na balança da opinião pública e dos factos, o discurso de Al Gore está no plano da responsabilidade colectiva e não do pecado.

Além disso, não creio que o discurso ecologista trate de um “castigo
que foi de Deus e agora é da Terra”, como diz Helena Matos. Qualquer cientista aprendiz sabe que não se deve personificar um planeta (se caem na candura de perguntar “porquê?”, costuma responder-se-lhes: “porque o planeta não gosta”). Ora, a Terra não castiga; reage apenas. É-lhe indiferente se na sua reacção inunda uma cidade, devasta uma civilização ou acaba com a espécie.

Foi isto que levou Voltaire, logo após 1755, à conclusão de que a Natureza era amoral. Na altura, um Rousseau tão ingénuo quanto teimoso não podia aceitar esta ideia e escreveu que o problema era os lisboetas terem feito uma cidade numa zona de risco sísmico. Naturalmente, quando se vive a céu aberto nunca nos cai a casa  em cima. Encontro ecos deste Rousseau em Helena Matos quando culpa as casas construídas na Costa da Caparica pelo mar galgando as arribas. Não que isto esteja completamente errado: o tipo de construção agrava certamente o problema. Mas porque para confirmar a subida das águas dos mares à escala global basta consultar fotos aéreas das costas oceânicas, algumas delas em áreas sem construções da África ou da América do Sul. Ora não é bom fingir que se ignora estas coisas. Até porque a ignorância fingida, como ensina a Bíblia, é pecado.

Sobre Joana Amaral Dias

QUARTA | Joana Amaral Dias
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Rui Tavares: O pecado, ida e volta

  1. aff diz:

    “Qualquer cientista aprendiz sabe que não se deve personificar um planeta.” Errado. Ver por exemplo hipótese de gaya. A tese de um planeta amoral não é a tese ecologista.

  2. Luís Lavoura diz:

    A Joana está com falta de imaginação. Esse artigo já está na blogosfera, postado pelo próprio Rui Tavares no seu blogue.

  3. atenção: a hipótese de gaya pode dizer que o planeta é um “organismo” que pode “adoecer”, e mesmo isso já faz dessa hipótese controversa. mas nunca nunca nunca dá personalidade humana ao planeta, que é o que personificar aqui quer dizer: um planeta que tem “temperamento”, que “se zanga”, que “castiga”, que “está triste”, etc. e por extensão um planeta com uma “moralidade” surpreendentemente parecida com a nossa.

    são duas coisas inteiramente distintas.

Os comentários estão fechados.