Para reflexão… ou não.

Autor: Carlos Trincão

 

 

            Faço parte de uma Assembleia Municipal. As Eleições Autárquicas de 2005 deram os seguintes resultados (traduzidos em mandatos) no meu Município:

            Câmara Municipal:

            PSD – 4 mandatos (maioria absoluta)

            Grupo de Independentes – 2 mandatos

            PS – 1 mandato.

 

            Assembleia Municipal:

            Resultados directos da votação:

            PSD – 10 mandatos (maioria relativa)

            PS – 5 mandatos

            Grupo de Independentes – 4 mandatos

            CDU – 1 mandato

            BE – 1 mandato

 

            Mandatos após inclusão dos Presidentes de Junta:

            PSD – 10 + 9 = 19 (maioria absoluta)

            PS – 5 + 5 = 10

            Grupo de Independentes – 4

            CDU – 1 + 2 = 3

            BE – 1

 

            A subversão do poder da votação por esta via é evidente. O equilíbrio de poderes entre a Câmara e a Assembleia seria um facto sem a “intromissão” dos Presidentes de Junta.

            As regras são estas. Estarão certas?

Sobre Joana Amaral Dias

QUARTA | Joana Amaral Dias
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Para reflexão… ou não.

  1. F Gomes diz:

    Caro Prof. Trincão,
    Sou do seu burgo e infelizmente tem toda a razão quanto a estas regras.
    Necessário agora é o referendo local sobre o “Fórum”!
    Um abraço

  2. As regras estariam certas… se os Presidentes de Junta de facto afirmassem a sua independência na AM, se se assumissem defensores das especificidades a pequena escala, se fossem de facto representantes das suas freguesias!

    As regras seriam certas… se os Presidentes de Junta não fossem prisioneiros de negócios politico-partidários e da disciplina de voto.

    Let me dream!

Os comentários estão fechados.