Alfabetização de adultos

grannies.gif

Banksy 

O maior problema dos apoiantes do “não” reside ao nível da capacidade de leitura.
Começaram por confundir “despenalização” com “liberalização”, no fim da campanha eleitoral garantiram, a pé juntos, que votar “não” à despenalização era votar “sim” à despenalização. Agora querem interpretar, criativamente, os resultados do referendo (a propósito, alguém já vos disse que o perderam?) como uma indicação de que só poderá abortar, até às 10 semanas, uma mulher a quem uma comissão de acompanhamento – provavelmente com a sorridente Laurinda Alves, a srª Pegado, o brilhante César das Neves ou o Dr. Malta – dê luz verde.
Façam um esforço, soletrem comigo: “a pedido da mulher”. Perceberam?

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.