Eppure non si muove…

Ele nunca se engana e raramente tem dúvidas (ou vice-versa, já não me lembro), e no entanto, após três-referendos-três com votações abaixo dos 50%, ainda diz que é preciso muita cautela e sobretudo nenhuma precipitação quanto a mexer nessa instituição magnífica que é o referendo em Portugal…

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Eppure non si muove…

  1. António,
    Os abstencionistas de domingo foram os benfiquistas.
    Eles estavam com vergonha de sair à rua depois do que aconteceu no sábado à noite!
    🙂

  2. António Figueira diz:

    Pois é, parece que o Fernando Santos perdeu duas vezes no mesmo fim-de-semana…

  3. Claro que ele nunca se engana e raramente tem dúvidas ou vice-versa. Claro que ele nunca se precipita e age sempre com cautela: é próprio do obsessivo-fóbico. O homem foi obsessivo na gestão da sua imagem pública por forma a chegar a Belém. O homem é fóbico ao Sim deste referendo e ao perfil do eleitorado que deu a vitória ao Sim, mas permanecerá fóbica e obsessivamente cauteloso porque não saberia gerir uma eventual derrota para um segundo mandato em Belém. Ninguém o imita melhor que ele próprio.

Os comentários estão fechados.