Salazar, Cunhal e convicções

Tenho lido algumas pessoas que garantem que Salazar e Cunhal são moralmente iguais. Não falo apenas do Miguel Sousa Tavares, pessoa de quem os jornalistas afirmam ser um grande cronista e os cronistas referem ser um soberbo jornalista, falo de uma opinião mais generalizada. Eu quero aderir a esta procissão: Cunhal e Salazar eram homens de convicções. A pequena diferença é que Cunhal esteve preso e foi torturado porque não abdicou da suas convicções e Salazar mandava prender, torturar e, às vezes, matar aqueles que ameaçavam o poder das suas convicções.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

19 Responses to Salazar, Cunhal e convicções

Os comentários estão fechados.