André Belo: A TLEBS, a plebs e a mão na massa (2)

Na semana passada anunciei para hoje um post sobre tudo e mais alguma coisa que tenha a ver com pedagogia. Mas o tema é tão vasto e complicado que o melhor é reduzir já as (exclusivamente minhas) expectativas. Entretanto, pus-me ao ler um pouco mais de informação e opiniões sobre a questão da TLEBS (o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa tem bons links para perceber melhor a questão, com os documentos legais que criaram esta experiência pedagógica e com os artigos de opinião que têm saído nos jornais). E decidi partilhar convosco, depois da dobra, alguns links e impressões sobre o assunto.

No momento em que escrevo, parece-me, há um sério problema pedagógico em curso, prioritário até em relação à avaliação que se faça da nova terminologia. É o de saber se se pode levar ao fim a própria experiência pedagógica em que ela aparece (que deve, por lei, decorrer até ao ano lectivo de 2007-2008). O fogo sobre a TLEBS tem sido tão cerrado que se criou hoje uma situação difícil de sustentar pedagogicamente, a não ser que o Ministério da Educação clarifique imediatamente a sua posição sobre o assunto, como deveria fazer e não tem feito. Tem dado sinais contraditórios que não satisfazem nenhuma das posições em confronto e afectam, evidentemente, a credibilidade da experiência pedagógica no próprio momento em que ela está a ser feita. 

Por outro lado, parece a um leigo como eu — apesar de tudo, professor de língua portuguesa para estrangeiros e não mais leigo do que outros que têm participado no debate — que existem esclarecimentos importantes dados por alguns dos autores da TLEBS (por exemplo neste, neste e neste artigos). E que sublinham, com razão, a confusão mediática entretanto criada em relação ao estatuto da experiência pedagógica, destinada a actualizar e normalizar parte da (muitas vezes incoerente) terminologia linguística actual. É claro que os propositores dos novos termos linguísticos e o Ministério não foram claros a passar a sua mensagem e por isso têm responsabilidades na criação dessa confusão. Mas os críticos da TLEBS, ao satirizarem a sigla (tornando-a pejorativa, sinónimo de mau português vindo dos próprios professores de português) e ao transformarem um instrumento pedagógico destinado a orientar os professores e os documentos do Ministério (é o que diz a portaria do governo do PSD/PP que instituiu a TLEBS) numa nova ortodoxia gramatical pronta a ser decorada pelas criancinhas portuguesas, pobres coitadas abandonadas, lá deram o seu contributo para mistificar e muito a questão. 

(Acho graça que quem se opõe à nova terminologia exija o “fim das experiências pedagógicas não autorizadas em crianças“ e “um ensino de qualidade, científica e pedagogicamente válido e validado“ (itálico meu). “Não autorizadas“ por quem? “Válido e validado“ por quem? Pelos pais? E por que mais outras figuras tutelares? Os professores têm a obrigação de fazer experiências pedagógicas com as nossas criancinhas, é para isso que lhes pagam. Não sabiam?)

A elaboração da nova terminologia foi iniciada em 1997 e teve, ao que parece, ampla participação de professores de português pelo país inteiro. Estes professores deveriam merecer um bocadinho de mais confiança da nossa parte, tanto mais que têm manifestado abertura para reavaliar a experiência, ao fim dos três anos que ela deve durar, em função das críticas que têm sido feitas. Seria bastante estúpido deitar abaixo todo o trabalho de anos por causa de uma má sigla e de uma colecção de citações reduzidas a uma caricatura.

Sobre Rui Tavares

Segunda | Rui Tavares
Este artigo foi publicado em cinco dias, convidado, Rui Tavares and tagged , , , . Bookmark the permalink.

2 respostas a André Belo: A TLEBS, a plebs e a mão na massa (2)

  1. pedro diz:

    Sendo que o interesse pela Língua Portugesa tem vindo a descrescer entre os alunos e até mesmo entre os professores do 1º ciclo. Resta agora saber se esta nova medida irá produzir efeitos positivos numa área cada vez mais maltratada. E já agora, levanto uma outra questão: quem irá ensinar os professores, sabendo-se que o ensino dos Politécnicos deixa muito a desejar?

  2. JMA diz:

    “tanto mais que têm manifestado abertura para reavaliar a experiência, ao fim dos três anos que ela deve durar, em função das críticas que têm sido feitas”…
    Por esta e outras razões largamente publicitadas,a TLEBS não deveria sequer ter nascido.
    Não adianta tentar reinventar(é este o termo)a língua portuguesa,com denominações desconexas que deveriam envergonhar os iluminados que as pariram.

Os comentários estão fechados.