Piada seca

Entrevistei uma vez, para o semanário “Já”, Nuno Rogeiro. Inteligente, vivo e simpático. Na semana seguinte, ele referia-se numa coluna de opinião à nossa conversa como tendo “estado com o seu contacto do KGB”. Não lhe levei a mal, até porque há coisas piores: por exemplo, se eu fosse do FSB, a esta altura, Nuno Rogeiro não precisava de luzes no escuro. Sempre admirei a vontade que Rogeiro tem de não ser enquadrado e de estar muito, muito, informado. Compartilha com Pacheco Pereira o gosto pela teoria da conspiração. Gosta de citar na televisão misteriosas conversas e conhecimentos esotéricos. São comportamentos com graça. Sem maldade. Extravagâncias. Muito diferente da aceitação do convite para participar na abjecta Conferência Iraniana para a negação do Holocausto. Não tem graça nenhuma.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Piada seca

  1. j diz:

    Pois eu acho que tem graça: tem a graça da desgraça…

  2. pedro diz:

    O Nuno Rogeiro sempre gostou de dar um pouco mais de importância a tudo o que vivia. Agora a situação inverteu-se: a vida tornou-se mais importante do que as suas ideias e anda por aí na boca do mundo.

  3. gibel diz:

    “por exemplo, se eu fosse do FSB, a esta altura, Nuno Rogeiro não precisava de luzes no escuro” – medalha de ouro para a melhor piada seca 🙂

Os comentários estão fechados.