Paciência, Iracema

É 1978, no bar da Carmela, bairro do Bexiga, São Paulo. Adoniran Barbosa, de laço-borboleta, e Elis Regina, com um colarzinho de pérolas ao pescoço, interpretam juntos Iracema, da autoria do primeiro. Para quem não conheça a letra, aqui fica esta pequena obra-prima de ternurento humor macabro, sobre uma noiva que morreu atropelada — “veio um carro, te pega e te pincha no chão” — isto na Avenida São João, a poucos dias do casamento. “O chófer não teve culpa, você ‘travessou contra a mão. Paciência, Iracema.” Paciência.

Sobre Rui Tavares

Segunda | Rui Tavares
Este artigo foi publicado em cinco dias, Rui Tavares. Bookmark o permalink.