De Mao a pior

A antiga maoista, hoje convertida às delícias do choque de civilizações, as limpezas étnicas, os assassinatos selectivos e os bombardeamentos indiscriminados, Esther Mucznik brinda-nos, no Público, com a seguinte pérola:

” A iniciativa ‘Aliança de Civilizações’ revela grande cegueira e erra o alvo ao apontar a questão israelo-palestiniana ‘como uma das ameaças mais graves à estabilidade internacional'”.

Tem toda a razão: aquele ponto do globo tem sido, pelo contrário, um garante da paz e um exemplo para todo o planeta.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 Responses to De Mao a pior

Os comentários estão fechados.