As mil faces do Prof. Marcelo

Eu nunca tinha percebido muito bem porque obscura razão o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, qui excelle dans l’art de la politique à la florentine, insistia em impingir ao público outra coisa que não isso nas suas charlas televisivas. O público a querer ouvi-lo dizer mal do Dr. Santana Lopes – e ele a falar de bailado; o público a querer ouvi-lo assassinar o Dr. Portas – e ele a falar de livros; o público a querer ouvi-lo elogiar o Eng.º Sócrates – e ele a falar de desporto. Nunca ninguém, na RTP ou na TVI, se lembrou de lhe dizer que não era para isso que lhe pagavam? O exercício depois prolongou-se, primeiro n’ “A Bola” (onde o Prof. Marcelo “deu a táctica” durante todo o Mundial) e agora no “Sol” (onde ele oferece um diário insípido e algo ridículo, valha a verdade, da sua existência, em vez da politiquice que o público pede). Porquê, Professor? Eu julgava que era um erro dele – mas isso, afinal, era um erro meu. Segundo concordam diversas fontes bem informadas, o Prof. Marcelo quer voltar a sentir the sweet taste of power e, apoiando-se na evidência de que a direcção do Dr. Marques Mendes não passa de um intermezzo que ninguém imagina longo, prepara um regresso à política activa. Aparentemente, os seus altos e indisputados dotes intelectuais não lhe terão ainda permitido alcançar aquilo que a maior parte dos espíritos mais simples já percebeu faz muito tempo, isto é, a incompatibilidade entre o brilho e a inconstância do Prof. Marcelo e a chateza sisuda que caracteriza os negócios da governação. Sucede que, apesar dos beijinhos das avozinhas que o descobrem na rua poderem eventualmente iludi-lo e convencê-lo do contrário, o país vê o Prof. Marcelo como um “queque” em que não se reconhece e um tipo esperto demais para merecer a sua confiança. Infelizmente para ele (e para nós, que temos de ficar a conhecer o “homem” que há por detrás do político), o Prof. Marcelo não acredita em nada disso e insiste em “revelar-se” ao país em que aspira a mandar. Preparem-se, pois, para o pior.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a As mil faces do Prof. Marcelo

  1. Julia diz:

    Sans doubte, mon cher. Estou farta destes multifacetados: Pacheco Pereira, Marcelo, etc…mas, acredito, sinceramente, que eles reflectem uma crença que se encontra profundamente implantada na psique portuguesa (saber de tudo, ter opinião acerca de tudo…opiniões que são acompanhadas pela presunção da infalibilidade cognitiva-um vestigio polit-cult indesejável do fascismus do Salazarote?). Imagino o seguinte: PP, Marcelo, Portas, Soares, Vitorino (etc) …todos a discutir os padrões migratórios dos lemingues, os rituais reprodutivos do macaco cor de rosa malaio ou o problema hemoroidal de Gorbatchev!!…Nunca vi nada assim! (personas publicas que presumem saber tudo sobre tudo). Ambição megalomana? Narcissismo intelectual? O resultado inevitável é a superficialidade. Nunca ouvi um destes senhores-as a dizer: desculpe, mas não sei do que está a falar. Impressionante!

  2. trincão diz:

    Pois tá claro! O post e o comentário anterior.

  3. Franzini diz:

    Não tenhas duvidas,a unica coisa que preocupa o prof.Marcelo é a promoção,visando o regresso a liderança do PSD e a conquista do poder,e temo que isso venha a acontecer.2009?2013? Ai já não sei…
    Eu acompanhei o ultimo mundial,confesso sem nenhum sentimento de inferioridade que gosto do espectaculo,e vi alguns minutos de comentarios do professor…e meu Deus!O homem falava como se fosse uma especie de provedor de Scolari e companhia,mau,mesmo mau demais!E não tenhas duvidas,se um dia ele achar por bem,vamos vê-lo nas manhas da TVI,rente ao meio-dia,num programa de culinaria!A não ser que a OPA da Prisa tenha sucesso…
    Cumprimentos

Os comentários estão fechados.