A directiva comunitária VIVA ESTALINE!

barroso.jpg

Há experiências enternecedoras. Recentemente, estive na Hemeroteca para folhear alguns jornais e tropecei no “Independente” de 27 de Janeiro de 1995. Abrilhantavam as páginas do finado semanário um artigo do camarada “Abel” (Durão Barroso), retirado do “Luta Popular” de 2 de Maio de 1975.
A singela peça tem como título: “A Vida e Obra de Estaline”. É preciso notar que o texto foi escrito há 30 anos, na altura José Manuel Durão Barroso tinha mais de cinco anos de idade e uma formação que ultrapassava largamente a infantil. E, embora, a redacção deste escrito teórico o pareça indiciar, não está provado que Durão Barroso tenha escrito o texto depois de ir a Amesterdão tomar conhecimento com os cogumelos alucinogénicos.
Feitas estas advertências aos leitores, cá ficam alguns excertos deste documento histórico que espelha algumas das características intelectuais do actual presidente da Comissão Europeia.
“Onde quer que estejamos mal se pronuncie a palavra ESTALINE logo um poderoso campo magnético isola à direita toda a espécie de oportunistas, unindo ferreamente à esquerda os verdadeiros comunistas e os autênticos revolucionários.
Esta é uma das teses fundamentais da directiva do nosso movimento “QUE VIVA ESTALINE!”. Essa directiva é uma contribuição enorme ao património científico do Marxismo-Leninismo-Maoismo. (Nota minha: não consigo ver mesmo nenhuma maior, talvez os Himalaias…)
O camarada Saldanha Sanches é que não se demarca dos oportunistas, nem pouco mais ou menos, não resistiu à contraprova do campo magnético (NM: uma espécie de “o algodão não engana”); mal se falou em ESTALINE começou a hesitar, titubeou, hesitou, indo cair no campo da contra-revolução, arrastado pelo poderoso campo magnético de que fala o Comité Lenine na sua Directiva. (…)
E isso acontece porque a camarada Gina (NM: parece que não é a das revistas malandrecas) não ama Estaline (NM: talvez seja a das revistas!) e está contra a linha política do MRPP.
E isso porque na sua crítica não toma as posições face a ESTALINE; fala dos “erros” de forma aparentemente correcta mas não diz que o camarada ESTALINE não cometeu erros estando implícito que admite que os cometeu. A camarada Gina não resistiu também à prova do campo magnético. Tentou cair no meio e foi cair ao lado dos oportunistas. E é talvez por isso que na sua crítica não se refere a esta questão, não diz que a questão de ESTALINE é a pedra de toque que demarca os Comunistas dos oportunistas.
A CAMARADA Gina faz a crítica por descargo de consciência. Não se “lembrou” que quando criticamos os outros não podemos cair nos mesmos erros que eles e por isso não estudou pacientemente a directiva “QUE VIVA ESTALINE!”.
A posição da camarada Gina é a posição (NM: é definitivamente a das revistas!) daqueles que erguem a bandeira de ESTALINE para partir a cabeça dos que defendem Estaline, daqueles que sob a capa de defenderem ESTALINE, atacam-no. E Gina ataca-o porque não defende (NM: seria a imortal Lili Caneças, com o famoso “estar vivo é o contrário de estar morto”). (…)
Devemos varrê-las do nosso seio (NM: o do Barroso) implacavelmente, “agarrar o touro pelos cornos” e não fazer tentativas hesitantes pelo flanco, tal é a posição dos Comunistas (NM: Fica por explicar qual é a posição do touro em relação aos comunistas e aos “deserdados” do campo magnético: os comunistas agarram os cornos e os outros seguram o rabo? ou pelo contrário empurram o touro? e “no meio” onde é que fica a camarada Gina?).
Dizer que ESTALINE foi um eminente dirigente proletário e não cometeu erros e não dizer que há erros de 1ª espécie e erros de 2ª tal é a nossa posição.” (…)
“Eu próprio não ousei criticar o camarada Saldanha Sanches, não dei à directiva “Que Viva Estaline” a enorme importância que ela tem, o que é uma manifestação oportunista e cobarde de quem não ama Estaline, de quem não defende intransigentemente os princípios do Marxismo-Leninismo-Maoismo. Por tudo isto, desde já me autocritico (NM: as chibatadas e flagelações eram à quarta-feira) manifestando o desejo de ir contra a corrente e defender a vida, a obra e a actividade do grande Estaline não pactuando com todos os ataques – directos ou camuflados – que foram feitos ao grande Estaline.”

Publicado originalmente no AspirinaB

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias, Nuno Ramos de Almeida. Bookmark o permalink.

3 respostas a A directiva comunitária VIVA ESTALINE!

  1. a.pacheco diz:

    Já agora a Gina , deve ser a MIZÉ TUNG ( vulgo Maria José Morgado).

    Mas desculpem lá com defensores destes o José Estaline não precisa de detractores.

    E foi isto primeiro-ministro de Portugal, ministro e secretário de estado dos negócios estrangeiros em dois governos do Cavaco ( o homem sabia escolher os colaboradores, quanto mais mediocres melhor)

    E está esta pérola a presidir aos destinos da União Europeia, o mundo é realmente dos mediocres….

    Mas uma coisa eu agradeço ao Durão-MRPP-Barroso, há muito que não me ria tanto

  2. sininho diz:

    É como tudo na vida: incha.. desincha… e passa! venha outra ideologia e trocam-se campos magnéticos…

  3. euroliberal diz:

    O camarada Abel nesse tempo roubava com um camião as mobílias da Faculdade de Direito levando-as para a sede do MRPP, abolia as notas e os exames (foi assim que passou do 1º para o 2º ano, sem fazer um só exame), saneava todos os professores e assistentes (o saneamento na FDL-MRPP chegou aos 100%), comandava grupos de jagunços pinta-paredes que semeavam o terror na Cidade Unviersitária suprimindo a liberdade de expressão de todos os outros grupos políticos, fazia discursos descabelados comum olho virado para a China e outro para a Albânia… Um perfeito bandalho à portuguesa… Que um biltre destes chegue onde chegou é a maior perplexidade da minha vida…

Os comentários estão fechados.