Mulherzinhas

A manchete do “24 Horas” indignou o país: “Miss Portugal abandonada na Polónia!”.  Mas nada disso: conforme esclareceu no dia seguinte a representante da “marca Miss Portugal” ao inestimável “24 Horas”, a jovem abandonada nas ruas de Varsóvia era da concorrência: era apenas a “Miss Lusitânia”, concorrente ao título de Miss Mundo, mas não ao de Miss Universo – ao qual só pode aspirar a verdadeira e única Miss Portugal.  A esquizofrenia que parece reinar no grande mundo (ou deverei dizer universo?) das nossas misses merece uma reflexão cuidada: será que baseados neste astucioso precedente poderemos reivindicar dois lugares nas organizações internacionais, ter duas equipas no campeonato do mundo ou receber fundos comunitários a dobrar? À atenção das autoridades competentes.

Chavez que se cuide: a sua compatriota Venezuela Portuguesa da Silva (sic), advogada e mãe, de 53 anos, prepara-se para lhe disputar a Presidência da Venezuela, assente no programa de amizade entre os povos que o seu próprio nome anuncia. Venezuela da Silva admitiu ao “Correio da Manhã” que ainda não é muito conhecida na Venezuela propriamente dita, mas não baixa os braços – e como primeira acção da sua campanha, resolveu vir visitar as suas raízes em Portugal, mais exactamente em Aveiro, de onde era natural o seu avô, “um  lutador social com obras publicadas e o nome numa rua e numa lavandaria”, e onde, pelo sim, pelo não, está tratar da documentação necessária para os seus três filhos obterem a nacionalidade portuguesa.

O Presidente da Junta de Freguesia do Lumiar (PSD) fez campanha e foi eleito com base num programa que incluia a manutenção da Quinta de Nossa Senhora da Paz no património municipal e a sua recuperação, mas a Assembleia Municipal de Lisboa trocou-lhe as voltas e, com o apoio do mesmo PSD, decidiu alienar a referida quinta. Após o voto, com grande elevação e dir-se-ia mesmo espiritualidade, a Presidente da Mesa da Assembleia, a social-democrata Paula Teixeira da Cruz, fez segundo o “Público” esta declaração singular: “A Mesa apela à Câmara para que acolha o sentimento que perpassa nesta votação”. Esta e outras declarações invulgares de Paula Teixeira da Cruz (que, recorde-se, é Presidente do PSD Lisboa e mulher de Paulo Teixeira Pinto, Presidente do BCP e quadro destacado da “Opus Dei”) levam a que ela seja crescentemente considerada a chefe de fila da ala “milenarista” do PSD.

Às leitoras: Não ignoro que Portugal está também cheio de “homenzinhos” e peço que não interpretem esta pequena selecção de delírios no feminino como um indício de misogenia, mas apenas como uma homenagem a Louisa May Alcott.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Mulherzinhas

Os comentários estão fechados.