Dahrendorf: o “Novo Autoritarismo”

Este homem, como diria João Carlos Espada, é um sir. O problema é que, nos velhos tempos, João Carlos Espada e a direita portuguesa auto-proclamada de liberal não conseguiria alinhar duas palavras sem citar Ralf Dahrendorf. Hoje, sir Ralf anda mais desaparecido da prosa nacional, talvez por escrever coisas como este artigo sobre “o 11 de Setembro e o novo autoritarismo”. Algumas frases-chave:


«Mas terá mesmo começado uma guerra a 11 de Setembro de 2001? Nem todos se contentam com esta definição americana. Na época alta do terrorismo irlandês no Reino Unido, sucessivos governos britânicos se esforçaram ao máximo para não conceder ao IRA a ideia de que se estava a travar uma guerra. “Guerra” teria significado a aceitação dos terroristas como inimigos legítimos…»

«…os actos terroristas devem ser melhor descritos como actos criminosos. Ao chamar-lhes guerra… o governo dos EUA justificou políticas internas que, antes dos ataques de 11 de setembro, seria inaceitáveis em qualquer país livre.»

«Desde cedo, o campo-prisão de Guantánamo em Cuba tornou-se o símbolo de uma coisa inaudita: a prisão sem julgamento de “combatentes ilegais” privados de todos os direitos humanos. Resta ao mundo imaginar quantos mais destes homens não-humanos permanecem neste momento em quantos outros lugares.»

«As características fundamentais do Ocidente, a democracia e o estado de direito, sofreram mais às mãos dos seus defensores do que dos seus atacantes.»

«…os nossos líderes devem procurar acalmar, ao invés de explorar, a ansiedade pública. Os terroristas com quem estamos em “guerra” não podem vencer, porque a sua visão feita de trevas nunca ganhará ampla legitimidade popular. Essa é mais outra razão para nos erguermos em defesa dos nossos valores — em primeiro lugar, e acima de tudo, agindo de acordo com eles.»

O TPC para esta semana é: traduzir e divulgar este texto, insistir na sua publicação nos nossos jornais. Mostrar à nossa direita quão afastados e adversos andam dos valores que dizem defender.

Sobre Rui Tavares

Segunda | Rui Tavares
Este artigo foi publicado em Rui Tavares and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 respostas a Dahrendorf: o “Novo Autoritarismo”

  1. luis nascimento diz:

    Quanto á “guerra”,julgo que ela começou em 1991,quando o pai George Bush invadiu o Iraque.O Filho W apenas quis dar por concluido o serviço!
    Foi com a Guerra do Golfo,que começou a verdadeira crispação do mundo islamico em relação ao Ocidente.
    Nao nos esqueçamos que logo a seguir os radicais efectuaram o primeiro atentado contra o World Trade Center,um aviao da Air France esteve sequestrado em Marselha,nas Filipinas o Abu Sayaf(pró-Al Qaeda) intensificou as suas acçoes,dizimando centenas de civis em atentados á bomba,etc.Bill Clinton procurou uma outra estratégia,que foi uma aposta no trabalho dos Serviços Secretos,sem ter necessidade de declarar uma Guerra ao Terrorismo.E esteve muito bem o Bill,quando há dias arrumou de vez um jornalista da Fox News,esse veiculo de propaganda das teses mais reaccionárias do republicanismo da Casa Branca.Clinton fez um 3 em 1:atacou forte e feio de forma fundamentada,a estrategia do seu sucessor,deu exemplos daquilo que fez contra Bin Laden(e que é verdade) e desferiu um golpe certeiro na Fox.É de homem!

  2. Pingback: cinco dias » Blog Archive » Uma oferta ao Público

Os comentários estão fechados.